NOVIDADES

2.11.16

Rsenha de "O Penhasco" - Livro da autora Carine Raposo

RESENHA

Carine Raposo - O Penhasco

Mistério e Criatividade


Contra-capa : “Nunca imaginou acordar a meio da noite em um Penhasco, com um homem misterioso?”.


Os capítulos são curtos, o que umas vezes facilita a leitura, tornando-a mais rápida, mas há capítulos que eu não queria que acabassem tão cedo.


Liza vai numa viagem a Los Angeles para celebrar o aniversário de 21 anos com a irmã mais nova, Raquel e os pais, Marie e Paul.


Os pais desaparecem, misteriosamente “Era o cenário de um arrombamento, mas nada parecia ter desaparecido. Além, é claro, dos meus pais.”. O que lhes teria acontecido? Mais cedo ou mais tarde vai-se descobrir, a autora tem de nos fazer sofrer, a nós, os leitores, e ainda vai demorar a revelar isso, não queiram saber logo. O Delegado Machado fica encarregue desse caso, “Prometeu entrar em contacto, caso alguma pista surgisse”.


Após o desaparecimento dos pais, Liza trancou a faculdade de Psicologia em Baltimore e mudou-se com a irmã, para Winterhill. Foram para casa de 2 amigos de infância de Liza: Ben, “…tinha aquele sorriso de garoto que acabou de aprontar alguma…” (A autora descreve-o, mas eu queria que tivesse colocado mais pormenores) e Amanda, “Ben nos achava irritantes quando completávamos a frase da outra…” (Senti falta de uma descrição pormenorizada desta personagem, mais até que do Ben). Raquel tornou-se uma rebelde, e, foi piorando, cada vez mais. Quem teve de ser responsável por tudo foi Liza “Minha irmã se transformou em outra pessoa, rebelde, parecia ter raiva de mim”.


Gostei da descrição da Sra Bárbara, chefe de Liza no restaurante para onde ela vai trabalhar.


Stephanie e Anthony, tornam-se amigos de Raquel, vão ser importantes na história.


Surge uma personagem mistério, por quem Raquel se apaixona “Ele parecia um anjo caído dos céus. Seu olhar verde acinzentado, me seduziu, me olhou como se eu fosse a única pessoas naquela festa. Eu o encarei, hipnotizada”. Esse homem misterioso, seria Nathaniel? “devia ser paranóia minha. Mas, infelizmente, nunca acreditei em coincidências".


Liza sonhava muito “Aquilo só podia ser um sonho. Mas porque parece tão real?”. Seria sonho ou realidade? No sonho aparecia Nathaniel (Nathan ou Nate), o Homem do Penhasco “Era semelhante a uma estátua de um anjo, cuidadosamente moldada, dono de uma beleza indescritível”. Adorei a descrição de Nathaniel “toda aquela perfeição de olhos, boca e nariz adornados no rosto quadrado…”.


Liza de vez em quando também tinha pesadelos, “um calafrio me percorreu”. O que seria?


A autora refere-se muitas vezes a um livro que vai ser muito importante para a história, “Cem anos de solidão” de Gabriel Garcia Márquez (mas não refere o nome do autor, acho que deveria, pois nem toda a gente o conhece).


Gosto quando a autora escreve pelos olhos de Nathan, “se eu pudesse, acariciava cada centímetro de sua pele…”.


No capitulo 8, Liza fica a saber de uma coisa nada boa “E medo, principalmente, de ser tarde demais”.


Gostei muito do final do capitulo 12, principalmente nas descrições feitas pela autora.


O capitulo 13 deu-me raiva de Raquel, merecia umas estaladas…. Ó garota, a tua irmã faz o melhor que pode e é assim que a tratas?


Gostei muito da última página do capitulo 14, parte narrada por Nate.


O capitulo 15 é um dos meus favoritos do livro. Leiam para saber porquê.


Nas páginas 68, 69 e 70 amei a descrição do vestido e do salão, “Respirei com dificuldade quando vi a seda marcando o seu corpo, o vestido que escolhi lhe caia perfeitamente bem…”


Páginas 76 e 77 -> fogo! É a única palavra que me vem à cabeça, ao ler essas páginas.


Surge, Ethan, amigo de Raquel “Agia de modo prestativo, se oferecia para carregar as travessas em meu lugar, puxava a minha cadeira.”, outro dos personagens importantes no decorrer da história.


Gostei da introdução da Irmã Daiana e de Olaf na história. E da descrição de Lucas “Eu não acreditava em uma palavra vinda da boca dele.”


Na página 143 vieram-me lágrimas aos olhos.


Ao ler o capitulo 33 fiquei com pena de Nathan e Liza, outro dos meus capítulos favoritos e é, daqueles casos que falei anteriormente, que pena ser tão curtinho.


No capitulo 34, senti falta de alguma coisa, de algo que unisse uma parte do capitulo a outra (foi o capitulo que menos gostei).


O capitulo 35 já foi interessante, é revelado um segredo, por quem, de quem e a quem, têm de ler para o saber.


No 36, apeteceu ir salvar uma personagem de outra que eu não gosto desde o inicio, nem tudo “o que reluz é ouro”.


Adorei o Capitulo 38, tive pena de um personagem que eu nem gosto, imaginem, coitado! “A voz, a maldita voz!”, a autora fala de mais um segredo.


Capitulo 39 digno de aparecer num filme.


O capitulo 46 mostra a criatividade da autora, acontece o impensável.


No capitulo 50 tentei imaginar as situações e expressões dos rostos dos personagens…


Novas revelações nos capítulos 53 (gostei da maneira como a autora as apresentou, muito criativa) e 60.


Gostei muito da descrição de um personagem no capitulo 54 “… seus olhos de tigresa e sua boca carnuda se ressaltavam sob a pele de porcelana …”. Mas não gostei de como acabou.


Nas vezes que parece haver paz na vida dos personagens, acontece algo que revela o contrário. Que frustração, principalmente nos capítulos 47 e 55.


O capitulo 61 fez o meu coração saltar.


Amei o Epilogo.


Preciso do livro 2…


Alguns Trechos:
1 – “Foi quando ouvi, pela primeira vez, a voz dele. Sussurrada em meus ouvidos, uma melodia, que me proporcionava uma paz inexplicável.”
2 – “Seus braços fortes e quentes me envolveram com seu cheiro inebriante, doce e masculino. Cheguei a cogitar o uso da palavra perfeição para descrever esse momento. Mesmo que, no final das contas, fosse apenas um sonho.” – um dos melhores trechos do livro, perfeito mesmo…. Quem não sonha com um Homem assim?
3 – “Duvidei que algo pudesse me aterrorizar mais do que aquelas cartas, e a presença à minha espera. Mas eu estava errada. A névoa negra se estreitava em volta de mim.”
4 – “Os dois eram os homens mais bonitos que eu havia visto. Pareciam brilhar sob o sol. Já você, era uma pintura arquitectada pelo mais próximo que a imaginação chegaria da pureza e plenitude.”
5 – “A Alma Negra se reunirá à Morte. Mesmo que eu precisasse acompanhá-la pessoalmente.”




ESPALHA PROZAMIGO:

QUEM ESCREVEU:
\

Post a Comment

 
Back To Top
Copyright © 2014 Armada de Escritores. Designed by OddThemes