NOVIDADES

10.9.16

DOSTOIÉVSKI 1# - ESCREVA COMO OS MESTRES


O que dizer de Dostoiévski? Talvez a ausência das palavras diga mais deste ilustre e consagrado autor, de toda a sua influência, tanto na filosofia existencialista, na psicologia e na psicanálise de Freud, quanto na literatura da época, que reflete-nos toda a sua revolução até hoje. Embora grandes feitos tenham feito Stendhal, Flaubert, e até mesmo Machado de Assis, foi Dostoiévski quem introduziu e elevou a perspectiva psicológica – num tempo obscuro onde tal ciência era considerada quase uma magia – acima dos fatos em si, com o foco principal, não nos acontecimentos, mas nos pensamentos, traumas e complexos de cada personagem.
A história em seus livros não são meras histórias, mas argumentos; argumentos que visam sustentar uma tese, a profunda visão do autor, que lida com casos estremos de onde a capacidade humana é capaz de compreender.
Cristão convicto, e defensor da fé, sempre pregava a redenção de seus personagens, através da culpa, da angústia. Criticou o niilismo – que tanto estava na moda – e eternizou um questionamento acerca da moral divina, dos valores morais objetivos, com o discurso de Ivan Karamazov, resumido em “Se Deus não existe, tudo é permitido”, ao passo que, nem por isso, deixava de atrair a atenção e a admiração daqueles que seguiam o que tanto criticava, como Friedrich Nietzsche, que uma vez escreveu, “Dostoiévski é o único psicólogo que tem algo a me ensinar”, embora tenha feito o russo engenharia.
Seu estilo de escrever, apressado, à beira da miséria a qual sempre se encontrava, torna-o único; e seus personagens, criam vida, saem do papel, e ilustra-nos a própria personalidade do autor: confusa, atormentada e orgulhosa.
Enfim, um gênio.


Write Like The Masters

William Cane, embora tenha uns livros meio estranhos, se destaca, ao meu ver, com o Write Like the Masters: Emulating the Best of Hemingway, Faukner, Salinger, and Others, onde propõe algo ambicioso: analisar o estilo de alguns autores consagrados, e escancarar todos os seus segredos ao leitor.
Assim, como não existe uma tradução para o português, compadeci-me dos 95% semianalfabetos que existem nesse país, dos quais não possuem proficiência na língua do Tio Sam, e pus-me a traduzir o negócio. De todos os autores analisados no livro, os que mais se destacam são Geroge Orwell, Ernest Hemingway e Dostoiévski, o que nos renderá mais algumas publicações.
Lembro-vos, meu caros, que por mais que eu não faça parte da maioria, não sou nenhum filólogo, ou tradutor profissional. Garanto, entretanto, que farei o melhor.

E que os devidos créditos sejam dados. Se caso você, leitor, seja dos 5%, seria interessante, após esta leitura, dar uma olhada no livro do William Cane. Esta é a forma que eu o pago por tomar seu texto emprestado.

O que segue-se é o primeiro trecho e a primeira técnica descrita no capítulo sobre Dostoiévski.


***

CAPÍTULO 4
Escreva Como Dostoiévski
 
Há uma coisa a qual Dostoiévski faz melhor do que qualquer outro escritor: mergulhar os leitores num vívido mundo, onde a humilhação e a vergonha mostram-se emoções abrangentes, um mundo no qual os personagens se tornam desorientados pelos seus próprios sentimentos. “Dostoiévski constrói uma narrativa que envolve os leitores, imergindo-se na vergonha¹. Como veremos, a técnica a qual permite ao russo fazer tudo isso, pode também ajudar você, leitor, a escrever grandes cenas focadas, não apenas em vergonha e humilhação, mas em qualquer sentimento, qualquer emoção.
(...)
1. Martinsen 2003:12.

1# - DOSTOIÉVSKI E SEU SOFISTICADO CONTROLE DO PONTO DE VISTA

Para contar uma história com desesperadora intensidade, Dostoiévski viaja de mente em mente numa cautelosa sofisticação, permitindo-o tocar em qualquer que seja a mais relevante emoção para a determinada cena. Emprega um método específico que envolve o cenário, a imersão numa mente, e a mudança para os pensamentos de outro personagem. Uma vez que você domine tal técnica, poderá escrever as mais intensas cenas.
Dostoiévski começa, no Capítulo IV da Quinta Parte de Crime e Castigo (1866), construindo um cenário. Esta é uma das melhores cenas do romance, narrando como Raskolnikov revela-se a Sônia como o responsável pelo assassinato ocorrido alguns dias antes. E embora, ele firmemente espere a rejeição da moça, esta, porém, o surpreende quando lhe diz que sente muito por ter que ouvir aquilo, vendo-o com a vida arruinada por cometer tão estupido ato. A cena se dá de forma rápida, num apartamento.

“ (ele) apressou-se a abrir a porta e logo à entrada procurou Sônia com os olhos. Ela estava sentada de cotovelos sobre o velador, e ocultava o rosto nas mãos, mas quando viu Raskolnikov, levantou-se logo e correu ao seu encontro, como se estivesse à espera dele. ”
(Crime e Castigo; tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes)

Até mesmo o cenário da cena possui um senso de urgência. É escrito com a intensão de que o leitor saiba quem está presente e onde se encontram em relação ao outro. O próximo passo que se segue no texto é penetrar na mente de um dos personagens. É ainda mais fácil fazê-lo caso o sujeito esteja no centro de um tumulto, rodeado por fortes emoções; e certamente esse é o caso aqui.
Pois, ao que Raskolnikov acaba de confessar a sua culpa do assassinato de Lisavieta, Dostoiévski adentra sua mente:

“E mal pronunciara estas palavras quando, outra vez, aquela sensação já conhecida lhe gelou a alma de repente; olhou para ela e, de súbito, pareceu-lhe ver o rosto de Lisavieta no rosto dela. Lembrava-se claramente da expressão da cara de Lisavieta quando ele se aproximou dela com a machadinha e ela se afastou recuando até a parede, estendendo a mão, com um medo completamente pueril no rosto, tal como uma criancinha quando, de súbito, começam a assusta-la com alguma coisa e quando, de uma maneira tenaz e inquieta, fixa os olhos no objeto do seu terror, recua e, estendendo a mãozinha para a frente, se põe a chorar. ”
(Crime e Castigo; tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes)

Tal descrição é de uma sofisticação artesanal: é brilhantemente imersa na mente de Raskolnikov, a revelar emoções profundas. Típico de Dostoiévski, expande-se sobre um tema de vergonha porque Raskolnikov se sente, verdadeiramente, envergonhado pelo que fez; é embaraçoso e humilhante ter que revelar à Sônia que é o assassino. A ousadia de aprofundar-se num tumulto interior mostra o que Dostoiévski é capaz de fazer.
Por último, ocorre então a mudança de perspectiva, para o próximo personagem. Dostoiévski brinca com tal técnica, como se fosse a coisa mais estúpida do mundo para se fazer. Uma vez que ouvimos os pensamentos atordoados de Raskolnikov, é dito-nos:

“Sônia lançou-lhe um olhar rápido.
Depois da primeira compaixão dolorosa e lacerante pelo infeliz, outra vez a horrível ideia do crime voltava a horrorizá-la. Na mudança de tom da voz dele reconhecera, de repente, o assassino. Olhou para ele, espantada. Ela ainda ignorava por que, como e para que ele se tornara um criminoso. ”
(Crime e Castigo; tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes)

Veja o quão rebuscada é essa transição. Dostoiévski não a faz quando se passa um pensamento qualquer pela cabeça de Sônia, mas sim, quando esta se encontra na compaixão dolorosa, num conflito tortuoso de devaneios e sentimentos.
Perceba que, sendo algo importante e útil de se saber, que o autor não constrói linhas aleatórias de pensamento sequenciais, mas sim, alterna-os com as ações de Sônia, ao meio de seus devaneios:

Olhou para ele, espantada. ”

E então de volta aos pensamentos:

Ela ainda ignorava por que, como e para que ele se tornara um criminoso. ”  

Essa alternação entre pensamentos e ações mantém o leitor alerta para quem está pensando, e o que este quem está fazendo, no qual aumenta a ilusão de realidade. Vemos ela ao passo que estamos em sua mente...eis o segredo!
Com tal técnica – movendo-se de mente em mente dentro de uma cena – é possível mover montanhas; ou melhor ainda, comover leitores. É isso que os romances fazem de melhor – apresenta o interior, a alma de um personagem, de sua mente, seu “sistema nervoso central”!


***

ESPALHA PROZAMIGO:

QUEM ESCREVEU:
\

3 comments :

  1. A profundidade psicológica de Dostoiévski realmente traz uma universalidade bastante única, talvez uma marca de toda sua genialidade. Texto bastante interessante, parabéns!

    ReplyDelete
  2. Muito bom.
    Decoupar textos literários dos grandes escritores é uma excelente maneira de aprender com eles.

    ReplyDelete

 
Back To Top
Copyright © 2014 Armada de Escritores. Designed by OddThemes